quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Porque você nem ninguém é justo sobre casamento homossexual

Casamento religioso: união segundo crença religiosa que legitma a união entre pessoas, de alguma forma "abençoados" e reconhecidos pela comunidade como casados.

Nas principais da nossa cultura isso implica em:

1 homem e 1 mulher com compromisso de fidelidade sexual um ao outro.

Casamento civil:
Um conceito ambiguo, ligado ao conceito de casamento religioso de periodos em que o conceito de casamento monogamico heterossexual eram mais universalmente tidos como corretos, ligado a acordos financeiros. Oficialmente ao menos, não trata do direito de morar junto, nem do direito de se autodeclararem casados, nem do direito de ter relações sexuais com aprovação do governo ou da sociedade como um todo.

União civil: basicamente como o mesmo, sem o nome de casamento. Porém a união civil é reconhecida independentemente da voluntariedade de um dos membros. Por exemplo: caso um homem tenha morado anos com uma mulher, ele tem compromissos financeiros com ela e aplica-se um dos sistemas de comunhão de bens em caso de separação. É o reconhecimento do "ajuntamento" descompromissado, fazendo imposição de compromissos. Para muitos, é praticamente a mesma coisa.

Atualmente, em situação controversa foi temos neste país legalizado:
a união civil heterossexual monogamica
a união homossexual monogamica

Direitos sexuais neste país:
Neste país, se permite que cidadãos pratiquem diversas praticas sexuais, incluindo mas não se limitando a:
sexualidade fiel, somente casado, não casado, não fiel,
monogamico, poligamico, orgiatico, responsavel ou não responsavel em termos de compromisso ou amor ou cuidados com saúde ou filhos caso vierem (ainda que caso venham, a lei obriga reconhecimento, não obriga atitudes responsaveis com relação ao risco), hetero ou homo ou bissexual, incesto, zoofilia (aparentemente, ao menos, visto que nunca vi qualquer lei contra e há inúmeros conteúdos se multiplicando na internet), relações com boneca inflavel (eu queria estar brincando), etc.

Trata-se de uma lei de liberdade sexual para seguir até o que é considerado por uns parafilia, pecaminoso ou de alguma forma errado ou repulsivo.

Há exceções, praticas sexuais proibidas neste país:
pedofilia é crime.
Voyerismo invadindo privacidade alheia é crime.
Exibicionismo de nudez ou sexo em ambiente publico é crime.
Estupro é crime.

São comportamentos sexuais que independentemente de causas dos desejos são proibidos pela aparentemente evidente malignidade não desprezivel advinda dessas praticas. Elas também são consideradas pecaminosas para varios grupos religiosos, valores culturais religiosos podem ter influenciado nesta seleção.

O que se pede hoje:

casamento homossexual monogamico



O casamento homossexual é buscado por qual razão?
Por necessidade de direitos financeiros?
Não, pois para isso existe a união civil.
Pois para que? Para ter a sua pratica igualmente aprovada e reconhecida na sua integridade pela constituição.

Ou seja: não há razão, exceto a sede por aquilo que o casamento civil não é oficialmente mas é na cultura do povo, a razão pela qual outros se casam: um simbolo de aprovação da pratica, um simbolo cultural


O problema é que o governo nunca teve competencia para determinar o que é aprovavel ou não. Lembremos da zoofilia, por exemplo e das campanhas de carnaval do governo "neste carnaval vale tudo, só não vale sem camisinha". O governo não se constituiu até hoje defensor de familias tradicionais, ainda que ele tenha legalmente obrigação de defender a familia, seus esforços por vezes tem sido de desincentiva-las em capampanhas contra doenças sexualmente transmissiveis que ignoram completamente mesmo a questão trivial do incentivo a fidelidade conjugal.

Reinterpretação de casamento: é permito? tem que ter casamento também:
Se reinterpretarmos o casamento ou mesmo a união estavel do governo o que teriamos de legalizar?
tanto a união civil e casamento:
- heterossexual
- homossexual
- monogamica
- poligamica
- incestual
etc.




Ou seja: teoricamente qualquer união SEXUAL tem de ter uma versão LEGAL-FINANCEIRA de suporte.

Isso é justo até que ponto? Evidentemente animais e bonecas inflaveis não precisam de direitos financeiros, mas a a motivação for unicamente for igualdade de direitos pra dar suporte a todas as praticas sexuais tais praticas teriam de ter apoio legal.



Se porém ignorarmos tal fato ainda sobram as acima listadas.
Isso significaria que 3 pessoas, se quisessem se casar (e o governo não regula por quanto tempo), podem e devem poder.
Isso significa que 10, 20, 30, 40, 100 pessoas, não importa o numero: em acordo podem e devem poder.
Como exatamente ocorreriam as divisões financeiras nestes casos haveria de ser pensado. Mas como existe de fato uniões não reconhecidas poligamicas neste país (que normalmente são de 3 pessoas, porém)
seria justo dar direito a todas as minorias.

Mas surge um problema:
Isso significa que:
2 mulheres casadas teriam direitos finaceiros.
2 mulheres na mesma casa, porém sendo apenas amigas, que dividem apartamento pra economizar:

NÃO TERIAM direitos financeiros, ainda que a união financeira na administração da casa.

OU SEJA: seria um direito de CASADOS, não de quem mora junto ou não. De unidos através de um alegado vinculo. Se ambas as partes não admitirem-se tendo tal vinculo, não havendo evidencias de tal vinculo eles não possuiriam direitos.

Que vinculos? Ai é que está: vinculos ligados a valores culturais de posse de um parceiro(a) como filhos, vida intima, amor não de mera amizade.

CONCLUSÃO:
Nessa direção chegamos que pode ser mais vantajoso pra amigos(as) se declararem casados simplesmente para terem direitos finaceiros. Claro que isso constituiria um problema para aqueles que não iriam gostar de se declarar assim já que união civil estavel ou casamento civil, dá na mesma: se associam a ideia do casamento vida intima.

Portanto o que seria CORRETO fazer?
1 - reconhecer que o governo não tem regulamentação nenhuma real do que constitui um casamento, isto é, uma união intima familiar aprovada de alguma forma simbólica.

2 - fazê-lo admitir isso e dar a união FINANCEIRA a todos que o pedirem, rotulando especificamente como o é: união FINANCEIRA e nada mais, dando-a inclusive a trios, duplas, amigos, parentes, parceiros, etc que tenham vida FINANCEIRA conjunta, evitando assim mistura de funções.

3 - Reconhecer que o casamento religioso homossexual pode neste país ser feito nas instituições religiosas que o apoiam e que quem quer criar uma vertente religiosa que o siga o pode.

4 - reconhecer que é IMPOSSIVEL impor a população como um todo o reconhecimento concorde de todas as uniões como aprovaveis.

5 - PRINCIPALMENTE: PARAR DE CHAMAR DE CASAMENTO O QUE HA MUITOS ANOS É UMA PALHAÇADA IMPENSADA E CHEIA DE REMENDOS. 

6 - QUEM SABE CRIMINALIZAR AO MENOS A ZOOFILIA

7 - E FAZER PARAR DE FAZER SERVIÇO A SOCIEDADE AO IMPOR VALORES SEXUAIS CONTROVERSOS SOB FORÇA DE LEI IGNORANDO VALORES CULTURAIS, FILOSOFICOS, CIENTIFICOS E RELIGIOSOS OPOSTOS, AO MESMO TEMPO QUE CRIMINALIZANDO OPINIÃO CONTRARIA

8 - SE A LEI MANDA PROTEGER A FAMILIA, PROTEJA!