sexta-feira, 21 de março de 2014

Uma fé sem fundamentos?

Dizem alguns que fé é crer em algo sem provas, sem certeza, sem lógica, sem realmente saber.
Odeio esse conceito gritantemente.
Se esse conceito fosse o correto, então a fé seria uma virtude temporaria, substituivel pela sabedoria. Se você acha que é esse o caso, considere a possibilidade de substituir o máximo possivel sua virtude temporaria por uma superior, exaltada num livro inteiro (proverbios) além de mencionada em muitos outros.

Discordo porém de tal conceito, considero que a fé é a verdade e que só devemos confiar na verdade, que confiar cegamente não é virtude, e sim um risco. Considero que Deus é lógico.

Por isso tudo fico abismado com a abordagem das igrejas nos dias de hoje.

Ao invés de tratar de assuntos polemicos, controversos, que exigem conhecimento profundo, como:
- criacionismo
- evolucionismo,
- big bang e outras teorias da astronomia,
- sexualidade (e em especial a homossexualidade),
- teorias geologicas e históricas da terra antiga,
- Estado laico
- Crenças religiosas rivais

As igrejas se satisfazem em ensinar apenas o basico. A mesma mensagem disfarçada por mil capas de sermões supostamente diferentes com o tema "Arrependa dos seus pecados, Jesus te ama e perdoa você e te leva ao céu", "Deus faz milagres, sua vida vai dar certo, hoje é o dia da sua vitória" (sendo essa ultima frase fruto de um triunfalismo, sendo também uma profecia que simplesmente não faz sentido de ser dita a todos todo culto, e pela qual os autores não se responsabilizam de ver-se cumprir) e "não fale mal da igreja, seus membros e especialmente seus lideres (o que é ironico é que a função de um pastor é boa parte falar mal das pessoas, criticando os erros gerais das pessoas da igreja sem intenção de ofende-las, mas de leva-las a correção, e pastores não infaliveis porém impõem-se que nunca se considere a possibilidade deles estarem errados a sério, e simplesmente obedeçam e sigam-os por vezes ao buraco)

Fico com a primeira doutrina, que me basta. Mas fico triste em ver o desperdicio gigantesco de tempo. Uma pessoa pode passar 10, 20 anos na igreja sem terminar de ler a bíblia UMA VEZ que o seja. Como posso eu esperar que as igrejas façam estudos cientificos? Porém, espero, e há uma boa razão para isso:


A definição de ciência atual nega a aceitação da possibilidade de milagres. Verdade que tais precisam ter sua existência comprovada, e isso é dificil de acontecer, mas é preciso lutar para isso.

Como fruto dessa gritante diferença de fonte de conhecimento, teorias que exijam intervenção divina (como milagre) são imediatamente negadas e não são estudadas a fundo, não são levadas a sério nem mesmo como hipoteses.

Não estou apregoando a imposição da minha visão tradicional de interpretação bíblica criacionista, mas sim querendo o reconhecimento do fato: tem muita gente que acredita no mesmo que eu, porém as teorias não se desenvolvem. O excesso de confiança da igreja (justificado por uma adulteração do conceito de fé aos meus olhos, que leva a não ter autocritica e nem se importar em convencer o ateu relutante dando toda a tarefa do convencimento ao Espirito Santo ignorando que é templo do mesmo) a leva a abster-se desses problemas, e o medo das heresias leva a igreja a banir o pensamento.

Sou crente em muitos dogmas, mas contrario ao dogmantismo.
Sou contra achar que a imposição de uma crença é o bastante. Isso seria contradizer a doutrina da apologética.
Estou cansado de ouvir pessoas apregoando que fé e razão são contraditórias quando nem enxergam que a "razão" deles é simplesmente suposições materialistas ignorantes sobre Deus e seu poder.

Estou cansado de ver que se Cristo demorar mais um milenio, com a mentalidade que temos, o mundo acumulará conhecimento cientifico ainda mais impressionante (grande parte fruto de cristãos, muitos deles devotos) e que esse conhecimento todo irá para crédito do materialismo imposto na definição de ciência apesar de ser apenas uma suposição ignorante tudo o que sustenta a idéia de que o mesmo seja correto.

Estou abismado, ofendido, com a falta de intelectualidade, e permitam-me dizer, de fé, da igreja em não desenvolver estudos cientificos sobre o assunto.

Me sinto como um dos poucos que vejo na internet que levam a sua propria fé a sério, sobrecarregadissimos em estudar a fundo campos cientificos com conhecimentos de séculos acumulados que precisam ser conhecidos, e criticiados, e revistos se necessario ou fazer os religiosos reverem os seus, mas não há bom senso.

Não é ter fé ignorar visões contraditórias. É falta de fé tapar os ouvidos. É ter fé dizer "ok, aposto que minha visão está certa. Vamos estudar isso a fundo, e procurarei convencer que minha visão está certa, ou ser convencido do contrario, e estou disposto a se necessário até virar ateu, seguindo a verdade, e espero que considere o cristianismo da mesma maneira".

Fato é que por mais relutante e preguiçosa e desinteressada que seja a igreja, isto é, todas as denominações até onde vi, em produzir seu próprio corpo de conhecimento (ou pseudoconhecimento aos olhos de criticos) fora do campo bíblico, ela sempre será um fracaso, detentora de um mito, e uma desonra a Deus, uma entidade acorvadada, e irresponsavel enquanto não o fizer.

Trata-se de uma missão que pode levar séculos, mas que precisa ser feita. Conferir e acumular cada ponto de conhecimento cientifico, cada verdade de filosofia ou religião que esteja certo, para não deixar nem uma falha, nem um buraco, nenhuma falta, no sistema de fé.

Os cristãos precisam parar de fingir que a ciência é deles. Embora boa parte seja fruto deles, e perfeitamente coerente com suas crenças, a ciência por definição nunca considerará a sério a hipotese do teísmo. E portanto precisa ter sua rival. Uma ciência cristã.

Por favor, medite sobre isso, discuta e passe adiante. Ou apenas creia em mim, e não pense em mais nada, e faça o que eu digo. Dá na mesma.