terça-feira, 16 de abril de 2013

Como explicar a diferença entre os mandamentos da lei e de Jesus?



Pergunta:


Se Deus falou por Moisés e determinou leis, porque há diferença entre Jesus é Moisés?

A principal diferença está na lei de Talião, onde Moisés determina que é dente por dente e olho por olho, mas Jesus determina a lei do amor que é perdoar as ofensas e fazer o bem aos que nos fazem mal, porque essa diferença se ambos falaram por Deus?


RESPOSTA:

Eu explico:

Deus domina sobre o bem e o mal, tem ambos como recurso, é soberano, e tem alta capacidade de suportar a existência do mal no mundo

MAS instrui ao bem.

PORÉM não instruiu ao absolutamente ideal, antes deu instruções de um nivel relativamente próximo do que seria aceito e seguido pelo povo e considerado justo. Cito a lei do olho por olho dente por dente numa época onde eles achavam que era bom que Deus punia os pecados dos pais nos filhos (era assim na época), a permissão do divorcio apesar de não ser realmente o que Deus quer, ou mesmo a punição de morte do pecador apesar de Deus mesmo dizer que prefere que eles se arrependam.

Entendido esse fato que foi PROPOSTAS leis a um povo numa determinada época (e não apenas essas coisas que nós já achamos incovenientes, como também a mulher ser uma posse do marido, a escravidão, apedrejamento de adulteros, idolatras, etc) entenda que Jesus veio em não desprezar a lei mas COMPLETA-LA, levar ADIANTE as pessoas na direção da lei.

Jesus incentivou uma atitude menos preocupada em só seguir o que está na letra da lei, e mais focada em seguir a INTENÇÃO da lei. Por isso ele destacou mandamentos de amar a Deus de todo coração e o de amar ao próximo (que estavam espalhados por aí na lei, nem eram mandamentos dos 10 mandamentos) e incentivou a fazer MAIS do que a lei propõe: na época só ferida por ferida olho por olho era LIMITE PRA VINGANÇA, Jesus incentivou a ir além indo MAIS em amor ao próximo, amor ao pecador, indo ALÉM do freio.

Ou seja, Jesus AUMENTOU a valorização do ser humano. Embora mesmo até o fim da bíblia a inferiorização da mulher e a escravidão não tenham sido tiradas, o amor ao próximo como a si mesmo tem nos leva a essa direção, ou seja: Jesus destacou PRINCIPIOS da lei.

Jesus porém é mais do que alguém que obedece a lei, Ele é O LEGISLADOR e Deus, já na época DA LEI alterou a própria lei, para atualiza-la.
Nm 27-7

7– O que as filhas de Zelofeade estão pedindo é justo. Você deve dar a elas uma propriedade entre os parentes do seu pai. A herança do pai deve passar para elas. 8Diga ao povo de Israel que, quando um homem morrer sem deixar um filho homem, a filha deverá herdar a propriedade dele. 9E, se não tiver filhas, então a sua propriedade deverá ser dada aos irmãos dele. 10Porém, se ele não tiver irmãos, a sua propriedade deverá ser dada aos irmãos do seu pai. 11Se também o pai dele não tiver irmãos, a sua propriedade deverá ser dada ao parente mais chegado da sua família, para que tome posse dela. Os israelitas devem obedecer a essa lei como eu, o Senhor, tenho ordenado a você, Moisés.

Segundo li essa exceção foi dada para que mulheres herdassem terras quando o homem não tivesse filhos, o que anteriormente não existia.

Ou seja, a coisa MUITO dificil de se entender é que a lei dada por Deus não é expressão máxima da sua sabedoria moral, que deu coisas de um nivel pra eles, e que Deus tem autoridade total sobre a própria lei e não a fez como guia supremo substituto Dele próprio e do conhecimento ético que Ele posteriormente demonstrou ainda exceder e que ironicamente influenciou na criação da sociedade atual que o critica atualmente pela sua lei e até viram ateus por causa disso.

Deve-se entender que Deus condicionou o bem a obediencia de seus mandamentos, e que o caminho que a lei aponta, é o caminho do bem basicamente, e Jesus apenas apontou mais adiante.

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Marco Feliciano em entrevista com o ratinho



A maior ameaça aos direitos humanos do país não deveria ser um pastor, antes deveria ser um exercito sem roupa que viola o pudor e assedia a sociedade inteira ao erro.

Biblia contra homossexualidade


A bíblia é contra a homossexualidade. Sirva-se de versiculos de referencia:

Levítico 18:22

Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; abominação é; 
Levítico 18:22

Romanos 1:26-27

Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza.
E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro. 
Romanos 1:26-27

; I Coríntios 6:9

Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. 
1 Coríntios 6:10




Quando também um homem se deitar com outro homem, como com mulher, ambos fizeram abominação; certamente morrerão; o seu sangue será sobre eles. 
Levítico 20:13

sábado, 13 de abril de 2013

Resistência Protestante: Daniela Mercury, obrigado...

Resistência Protestante: Daniela Mercury, obrigado...


Neste brevissimo artigo, deixo o link de outro artigo que já vem se tornando famoso no Brasil.

Em sintese: mais um exemplo que indica que a homossexualidade é um comportamento que é influenciado não exclusivamente pela genética, mas também por cultura.

domingo, 7 de abril de 2013

Os filhos pagam ou não pelos pecados dos pais?


Pergunta: Há contradição aqui? - >

Nessa passagem bíblica , cada um paga pelos seus erros e pecados.
Os pais não morrerão pelos filhos, nem os filhos pelos pais; cada um morrerá pelo seu pecado."
Deuteronômio 24:16

"A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniqüidade do pai, nem o pai levará a iniqüidade do filho. A justiça do justo ficará sobre ele e a impiedade do ímpio cairá sobre ele."
Ezequiel 18:20

MAIS JÁ NESSAS DAQUI....

"Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o SENHOR teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam."
Êxodo 20:5

"Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram."
Romanos 5:12

"Não te encurvarás a elas, nem as servirás; porque eu, o SENHOR teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos, até à terceira e quarta geração daqueles que me odeiam."
Deuteronômio 5:9

RESPOSTA:


A começar, entenda que o Deus bíblico é altamente tolerante ao mal e injustiças, isto é, Ele soberanamente pode permitir tanto uma coisa quanto outra, e apenas INSTRUI ao bem. Ele deixou Jó sofrendo sem ter feito nada, mas manda sol e chuva sobre bons e maus.
Segundo, entenda que Deus se adaptou a cultura da época SIM segundo a bíblia, pois Jesus disse "foi permitido divorcio por causa da dureza de corações, mas no principio não era assim" (minhas palavras), por exemplo.

Deus ironicamente por exemplo chegou a se representar como um marido do sistema em que um homem tem varias mulheres com relação ao reino dividido (quando israel ficou dividida), pondo-se como marido de 2 mulheres adulteras.

Enfim, resumindo: por mais desagradavel que seja essa informação, é a que parece ter mais sentido bíblico: Deus se aproxima do nível moral do seu povo, apesar de seu conhecimento do que é superior.

Numa época em que era glorioso matar a familia inteira de seu inimigo Deus deu instruções de olho por olho dente por dente. Apesar disso ainda era uma glória (na verdade ainda é no meio de gente violenta isso, um mata o pai de alguém ai eles vão e vingam matando um monte da familia), como também no caso de reis (que se mata os filhos para não herdarem o trono). Os filhos eram quase uma posse dos pais numa época onde a valorização de direitos humanos era tão baixa que tinha-se até escravidão.

Enfim, veja o que acontece: Deus diz que é assim, que pune até os próximos, mas Deus INCENTIVA SISTEMA ALHEIO. Ou seja, Deus faz um PROGRESSO moral. Esse progresso moral porém durou (ou mesmo, ainda dura) muitos anos.

Veja em Ezequiel por exemplo:

Que pensais, vós, os que usais esta parábola sobre a terra de Israel, dizendo: Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos se embotaram?
Vivo eu, diz o Senhor DEUS, que nunca mais direis esta parábola em Israel.
Ezequiel 18:2-3

Os filhos estavam dizendo "estamos levando a culpa dos pais". Acontece que segundo a passagem tinha gente que acha isso BOM

Seu pai, porque praticou a extorsão, roubou os bens do irmão, e fez o que não era bom no meio de seu povo, eis que ele morrerá pela sua iniqüidade.
Mas dizeis: Por que não levará o filho a iniqüidade do pai? Porque o filho procedeu com retidão e justiça, e guardou todos os meus estatutos, e os praticou, por isso certamente viverá.
Ezequiel 18:18-19

A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniqüidade do pai, nem o pai levará a iniqüidade do filho. A justiça do justo ficará sobre ele e a impiedade do ímpio cairá sobre ele.
Ezequiel 18:20

Repare ele ensinando isso como estivesse se explicando de que o que iria fazer é justo.


E se ele gerar um filho ladrão, derramador de sangue, que fizer a seu irmão qualquer destas coisas;
E não cumprir todos aqueles deveres, mas antes comer sobre os montes, e contaminar a mulher de seu próximo,
Oprimir ao pobre e necessitado, praticar roubos, não tornar o penhor, e levantar os seus olhos para os ídolos, e cometer abominação,
E emprestar com usura, e receber demais, porventura viverá? Não viverá. Todas estas abominações ele fez, certamente morrerá; o seu sangue será sobre ele.
Ezequiel 18:10-13

Enfim, tralalá, leia o capitulo: "se o filho do justo pecar, ele vai morrer, se o filho desse pecador fizer a justiça, esse vai viver, etc" e o povo ainda reclama!

Contudo, diz a casa de Israel: O caminho do Senhor não é direito. Porventura não são direitos os meus caminhos, ó casa de Israel? E não são tortuosos os vossos caminhos?
Ezequiel 18:29

Repare que no mesmo capitulo Deus lembra: mas se um justo pecar, mesmo que tenha sido justo ele vai morrer. Mesmo que um pai tenha sido justo o filho morrerá no seu pecado. E se um injusto se arrepender, não serão lembrados os seus pecados.

Ou seja: Deus fica se EXPLICANDO para um povo que por mais que tenha ouvido na lei sobre o que deveria fazer ainda não levava isso a sério.

Porém repare ainda que em certo nivel é IMPOSSIVEL que não recebamos o bem e o mal não só de nossos antepassados como de vizinhos, e da sociedade em si:
- recebemos o conhecimento (certo ou errado) das pessoas do passado
- Tecnologia, governo, justiça social idem
- Recebemos dinheiro ou divida dos nossos pais

Enfim, é claro que isso não é justo no sistema da recompensa mas pelas nossas obras não merecemos então nem o pão que comemos quando somos crianças visto que não pagamos por ele nem o plantamos.

Repare que na lei citada é dito de como DEVE ser, e na passagem de como Deus é diz como DEUS é. Progressão ética sendo produzida, ok? Ele não legalizou que fizessem isso, só disse que Ele o faria. Mas como também é dito na primeira passagem: a vida do pai e do filho é Dele.

Eis que todas as almas são minhas; como o é a alma do pai, assim também a alma do filho é minha: a alma que pecar, essa morrerá.
Ezequiel 18:4

Porém repare que excesso de justiça da recompensa significará que eu não posso beneficiar meus filhos, nem a quem amo... O próprio fundamento do cristianismo, a justificação pela punição de cristo pelos pecados nossos só funciona se NÃO supervalorizarmos esse dever de cumprir o merecimento.

Pela criminalização da pornografia

Assine pedido pela criminalização da pornografia


Por favor, assine, é 1 minutinho!
ASSINE - CRIMINALIZAÇÃO DA PORNOGRAFIA

Se puder, passe adiante
Você sabia que se uma pessoa ficasse nua em praça publica seria menos vista e prejudicaria menos a sociedade, violando a sexualidade alheia, do com uma pornografia na internet
Porque na internet e na TV o lixo moral, atingindo solteiros, casados, padres celibatados, crianças, adultos, é oferecido a todos e você tem de “mudar de janela”, “fechar a janela” para não
ver a provocação de nivel NACIONAL, violando o SEU direito a moderação. No mundo fisico você pode pedir para as pessoas andando nuas na rua saiam, mas na internet e TV você tem de fechar a janela para não ver!

Você sabia que a pornografia causa desvalorização da mulher, incentiva fantasias sexuais loucas (inclusive sexo com animais, criado com videos de prostitutas que recebem quantias enormes para se rebaixar a tal ponto), e que existe até desenhos pornográficos de monstros sexuais, relações com crianças e bebês, estupros e torturas e que isso ainda é legalizado só por ser desenho? Tudo em nome da “liberdade de expressão”.

Você sabia que enquanto não proibem a pornografia da internet é como se pudesse ter relações em um local publico e são as crianças que tem de se esconder, tentar estudar na internet sem
se seduzir, e você pai ou mãe que terá de vigia-los 24h por dia para que ninguém a seduza?
Você sabia que vivemos num país de 90% de autodeclarados cristãos e que a pornografia ofende os valores do catolicismo, protestantismo, as duas maiores religiões do pais e de muitos outros?
Você quer viver num mundo onde qualquer pessoa pode seduzir o seu marido, a sua esposa, o seu filho, a sua filha a perversão?


Vote pela proibição da pornografia na internet e TV independentemente de horário.
O direito de liberdade de expressão NÃO estará sendo violado.
Nunca foi dado o direito de provocar a sexualidade alheia em local publico.
E isso não é bloqueio a liberdade de expressão.

sexta-feira, 5 de abril de 2013

O problema do mal - O Deus que não existe

O problema do mal é até onde sei o mais famoso argumento ateísta contra a existência de Deus.

Ele tem diferentes versões oficiais, e além destas, também é raciocinio aplicado para outros argumentos ateístas como "Se Deus existisse não permitiria isso" ou "Se Deus existisse, não teria inferno" "se Deus existe pq deixou o diabo fazer tudo que faz", etc.

Vou apresentar algumas versões do mesmo:

VERSÃO 1
Premissa 1 - Se Deus existisse, impediria a existência do mal
Premissa 2 - O mal existe.
Conclusão: Logo, Deus não existe

VERSÃO 2:
Permissa 1 - Deus, se existe, é bom
Premissa 2 - Se Deus fosse bom, impediria a existência do mal
Permissa 3 - o mal existe
Conclusão: Logo, Deus não é bom. Logo, não existe


VERSÃO 3:

Premissa 1 - Se Deus fosse totalmente bom, não deixaria o mal existir
Premissa 2 - O mal existe
Conclusão: Logo, Deus não é totalmente bom.

VERSÃO 4:
Premissa 1 - Se Deus fosse onipotente e onisciente e bom, Ele impediria a existência do mal.
Premissa 2 - O mal existe
Conclusão: Deus não existe.
E em aprofundamento desta, se explica:
Seria Deus desejoso de prevenir o mal mas incapaz? Portanto não é omnipotente. 
Seria ele capaz, mas sem desejo? Então é malévolo. 
Seria ele tanto capaz quanto desejoso? Então por que há o mal?




Soluções populares:
Varia-se a versão, mas a estrutura se mantem basicamente assim: Uma afirmação de que Deus se existisse, deveria impedir a existência do mal, e a afirmação de que o mal existe.

Há 3 tentativas que vi de resolver.


1 - A pior, na minha opinião é a alegação de que Deus é acima do nosso entendimento e pronto. Acho que é uma apelação para a irracionalidade. Além disso, como teólogo, eu só posso estudar Deus segundo uma idéia de que Deus é de alguma forma estudavel, compreensivel.

2 - há uma tentativa de negação da afirmação de que o mal existe. Um fracasso, na minha opinião. Vocês podem já ter recebido um e-mail onde supostamente Einstein é interrogado sobre o mal e compara o mal com a escuridão (que na verdade é a ausência de luz) e o frio (que é a ausência de calor), colocando o mal como uma ausência do bem. O argumento é na minha opinião injusto: existem coisas ruins como sofrimento que são mais do que meramente a ausência de prazer. A mentira é mais do que ignorancia. O ódio é mais que o desprezo, é uma inversão do amor e não apenas ausência do amor. Portanto defendo que: o mal existe.

3 - A terceira solução é a negação da premissa que se baseia ainda em uma suposição: que Deus, dados seus atributos, teria necessariamente de desfazer o mal.
Repare-se que apesar da forma de convincente, a premissa nunca é provada.

Argumenta-se da existência de um "bem superior" que envolve a existência do mal.

Pretendo demonstrar que este tipo de bem, que de fato envolve a existência do mal, de fato existe e está no nosso dia a dia.

Gostaria antes de mostrar uma contradição numa versão particularmente simplista do argumento:


VERSÃO 2:
Permissa 1 - Deus, se existe, é bom
Premissa 2 - Se Deus fosse bom, impediria a existência do mal
Permissa 3 - o mal existe
Conclusão: Logo, Deus não é bom. Logo, não existe

Vamos INVERTER esse argumento para um simétrico que deveria ser lógicamente equivalente:

Premissa 1 - Se Deus fosse mal, impediria a existência do bem
Premissa 2 - O bem existe
Conclusão: Logo, Deus não é mal.

Isso nos leva a uma contradição: Deus é mal e não é mal? Isso fere a nossa simplista lógica do bem e do mal.


Agora, aprofundando sobre esse tipo de pensamento que qualifica pessoas como "boas" ou "más" como se fosse preto ou branco vejamos alguns exemplos que mostram a falha de tal método simples de analise e expor a necessidade que temos de um sistema EXATO de julgamento:

- Se um médico não curou um paciente, então ele não é totalmente bom.
- Um médico corta seus paciêntes na busca de cura-los de doenças. Logo, o médico é mal
- Um serial killer faz bem para uma pessoa de quem gosta no dia a dia. Logo, ele é bom.
- Um serial killer permite que pessoas boas existam. Logo, um serial killer não é mal.
- Um assassino decide torturar sua vitima antes de mata-la. Logo, deixou de fazer um mal, e portanto não é mal.

Esses casos se diferem um tanto do divino no aspecto da onipotencia, mas demonstram a existência de fatores importantissimos na analise exata da bondade e maldade de alguém:
- A INTENÇÃO é muito relevante para determinar a bondade do individuo, não apenas atos,
- A ausência de ações boas não faz uma pessoa ser má em sentido pratico, e vice-versa.
- Alguém pode fazer o bem em uma area e o mal em outra, e ser bem intencionado ou mal intencionado
- É uma questão MUITO complexa.

Podemos usar um sistema rigorosissimo de bondade e maldade, um sistema que exige certa pureza. Nele, um médico por exemplo que corta seu paciente (o que é mal) para eliminar um mal é uma pessoa má em parte e boa em parte. Até ai, é razoavelmente justo. Tem lógica. O problema é que em oposição uma pessoa que se recusasse a fazer a cirurgia num paciente, deixando-o morrer, poderia ser qualificado em termos de AÇÃO como uma pessoa que não fez mal nenhum e é totalmente boa. Exceto se considerarmos a necessidade de agir, e a permissão do mal como um mal em si.

Em sintese: podemos usar diferentes sistemas para julgar, mas eles nos dão alguns aspectos da bondade e maldade de individuos, não todos.

- -

Voltando a questão, quero deixar claro que se Deus fez (por ação ou omissão) o mal num sistema RIGOROSO de definição de bondade onde bondade implica NECESSARIAMENTE em não permitir que o mal ocorra Deus NÃO é TOTALMENTE bom.

Mas semelhantemente, Ele não é TOTALMENTE mal uma vez que permite o bem existir (por ação ou omissão). Mais que isso: este método de analise significa que todos nós somos assim: nenhum de nós impediu a existência do mal, e nenhum de nós impediu a existência do bem. Da pessoa mais amorosa a mais cheia de ódio, o "nada", as pedras, TUDO é assim, inclusive Deus.

Devemos considerar porém que essa é uma definição restrita, fria, de conceito de bondade e maldade.

Nela, portanto Deus é: Não totalmente bom, e Não totalmente mal.

Isso confere em parte com a bíblia onde Deus diz que faz o bem e o mal

Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal; eu, o SENHOR, faço todas estas coisas. 
Isaías 45:7
O pensamento é impopular, mas coerente com a bíblia onde Deus é um justiceiro punidor que permite o mal também até aos inocentes e justos como Jó. Contradiz porém um conceito de Deus, de que Deus é TOTALMENTE bom se usarmos esse sistema para definir o que é ser totalmente bom.
Mas mais importante: isso significa que enquanto nossa noção de Deus pode estar errada, o Deus NARRADO na bíblia continua encaixando-se com a realidade. As descrições inexatas dos atributos divinos, nunca feitas com rigor cientifico, podem até falhar, mas aquilo que se deduz das obras divinas torna Deus BIBLICO coerente com a existência do bem e do mal.
Ou seja, o argumento ateísta atinge uma DESCRIÇÃO do divino, não o Deus NARRADO, o personagem bíblico que continua dentro das possibilidades de existência deste mundo.

-

Mas eai? Porque Deus seria assim?
Porque, ou sem porque, é necessário reconhecer que É! Num sistema rigoroso, especifico, Deus não é totalmente bom nem totalmente mal, e sim bom em parte (faz o bem) e mal em parte (faz o mal). A sua obra é uma obra envolve as duas essencias. É necessário reconhecer que os ateístas ACERTARAM dada a descrição dada do divino, e que merecem honras e reconhecimento pela eficiencia no campo teológico.

Mas paremos um pouco e pensemos: Pode existir Deus sendo parcialmente mal?

Infelizmente ou não: SIM.

A figura mais próxima de um Deus criador atualmente é um criador de mundos virtuais de jogos de computador e video-game. Essas pessoas existem, mesmo tendo criado mundos que contém o mal. Monstros, violencias, doenças até mesmo que atingem personagens guerreiros, não impedem (nem de longe) a existência destes individuos. Ao contrario, eles intencionalmente criam grandes vilões, inimigos, monstros e também fortes armas, poderes de cura, heróis para enfrenta-los. Faz parte do mundo deles a coexistencia do bem com o mal e o combate entre as duas essencias e, desde que os jogadores nisso se dediquem, a vitória do bem.

O mal que existe (assim como no nosso) é um mal sustentavel, ou seja, que pode existir, e que não destrói a realidade em si. Apesar de muitos jogos serem horriveis em sua violencia, ou extremamente dificeis (ou pior: ficarem sem saída em alguns momentos) nenhum deles deixa de existir, nem seus criadores, e é claro: nenhum daqueles sistemas com fisica própria criada artificialmente surgiu por evolução, fruto de uma explosão.

Também note-se que os criadores continuam onipotentes diante de seu próprio mundo fisico, podendo criar padrões no jogo que viram leis, mas também criar miraculosos códigos anti-gravidade, imortalidade, etc. Naturalmente, os mundos virtuais são bem mais simples matemáticamente por enquanto que o nosso, mas são bem reais em si.

- -

O bem acima do bem e do mal

O mais importante porém, é perceber que a existência do mal NÃO é o fim do mundo. Primeiramente note-se da possibilidade de existir também o bem, apesar do mal. Mas note-se ainda algo mais: existe sim uma utilidade para o mal. Nos jogos, ao menos, as coisas más servem como obstaculos, fonte de aprimoramento de técnicas dos jogadores, desafios...
O bem e o mal coexistem no jogo. Geralmente o jogador é praticamente a unica força do bem contra enormes hordes de inimigos como zumbis, monstros, exercitos do mal, mas ele por sua habilidade consegue derrota-los. O mal serve como forma de treinar o bom jogador a desenvolver mais e mais suas habilidades, seu carater moral, sua capacidade de resolver problemas...
Estou vendo é claro, os jogos mais positivos. Há também jogos com mecanica mais voltada para a liberdade. Nem todos jogos tem livre arbitrio (espaço para fazer o bem ou o mal), mas entre os jogos mais populares é comum encontrar essa possibilidade.

O livre arbitrio ARTIFICIAL é um fruto de nossa agencia. Aconselhavel ou não, ele existe. É lógico que a própria criação do mesmo demonstra que não é prioritário impedir que o jogador seja mal, assim como a criação de um mundo com inimigos demonstra um desprezo pela existência do mal em si, mas isso é um fenomeno COMPROVADO na nossa criação.

O livre arbitrio é um tipo de bem que envolve a existência do mal. A capacidade, não aprovação, do mal, que muitas vezes em jogo é punida, é algo coerente com um atributo ignorado nesse foco no bem: o PODER.

Outro tipo de bem superior é a justiça: a justiça da recompensa, recompensa pelas obras, diante das obras boas e más, implica necessariamente em fazer o bem aos bons e o mal aos maus. É uma coisa tão boa que nós humanos temos o nosso próprio sistema jusdiciario. Serve como desestimulo a maldade, ainda que fazendo-a no ato de punição.

Outro exemplo que não podemos esquecer é o do médico: um médico corta, mas cura. É um bem superior, um bem do "os fins justificam os meios". Mas certamente, é um bem superior que só pode existir se for feito também o mal de cortar.

Outro exemplo ainda é o da reviravolta: em roteiros de filmes e jogos é comum em certos momentos se sofrer uma grande perda, como a morte ou aparencia de morte de alguém, e esse ressucitar ou ressurgir de modo que a alegria surge pela percepção da possibilidade de perda. È como uma musica envolvendo o bem e o mal, buscando fazer um bem diferente de meramente criar a paz: criar uma sensação de triunfo.

Falando em triunfo, muitas virtudes fazem sentido com o mal. A capacidade de perdoar se desenvolve com a existência de algum pecado alheio, assim como a cura se faz com a doença. A habilidade se desenvolve com relativa facilidade tentando se contornar obstáculos.
Até mesmo a dor nos serve de aviso de que algo no nosso corpo deve estar quebrando, e maus cheiros nos repelem de comida estragada.

Há toda uma complexa engenharia com o bem e com o mal, e há coisas que são boas para determinados fins. No final, a conclusão de todo este problema é: A existência do mal é inconclusiva para determinar não-existencia de Deus, mas serve para restringir a definição do Divino possivel, o que nos leva a um ateísmo para com uma certa idéia do divino, mas preserva o Deus bíblico e sua bondade "além do nosso entendimento" ainda dentro do mundo de possibilidades reais.


Teistas e ateistas: eu procurei ser justo com todos, peço que confirmem que o que falei faz sentido ou que deem seus argumentos.

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Homossexualidade é natural... Afinal... Acontece na natureza?


Pergunta: a homossexualidade acontece na natureza. Como não é natural?

RESPOSTA:
Nem vou questionar a afirmação de que há praticas homossexuais na natureza. Ao contrario, vou deixar um link de um site que parece mais estar querendo puxar sardinha pro homossexualismo e vou começar aqui:
http://farmavett.blogspot.com.br/2011/03/confira-o-ranking-dos-animais.html

Há uma diferença entre conceitos de naturalidade aqui. O seu conceito: natural é o que eventualmente ocorre no "meio ambiente" (chamada natureza). Neste caso, qualquer coisa é em certo sentido natural, uma vez que aconteceu no mundo.

Porém a naturalidade que se refere é: de acordo com a função normal do ser.

Exemplo: é natural um cachorro cego? Porque apesar de existir, isso não é o padrão da espécie. Mas virus, doenças diversas podem causar.

A sua aprovação de tal coisa como natural é semelhante a idéia de que devemos aprovar o cruzamento entre espécies inclusive o ser humano com animais visto que isso "as vezes ocorre". Porque de fato ocorre, e ocorrer não é sinonimo de que é a real função da natureza, não é o padrão da espécie, e sim um comportamento de exceção e inclusive opositor a natureza.

A função dos seres é ter relação cada um segundo sua espécie, mas há comportamentos não naturais eventualmente. Cito para você por exemplo o caso do  Peixes-mexerica (Etroplus maculatus). Eles são homossexuais por falta de discernimento entre, segundo pesquisas

Na verdade, a homossexualidade no meio animal parece seguir as mesmas razões do nosso mundo e com resultados similares. No caso do bisão os valentões se aproveitam dos outros, e a falta de opção é um dos principais fatores no comportamento homossexual.

No caso de leões gays a causa pode ser a mesma, uma vez que leões gays costumam ser leões SEM femeas (a saber: leões tem MUITAS relações normalmente com as leoas) que inclusive se unem para atacar um leão com fêmeas, e se comportam homossexualmente o que supostamente vincularia-os.

Como foi citado, há comportamentos que ocorrem na natureza que não são porém recomendaveis socialmente. Poderia citar o caso de casais de cisneys gays que um eventualmente copula com uma femea e ambos expulsam-na depois para criar filhotes ou casais que simplesmente vão expulsando casais heterossexuais e roubando seus filhotes. Quer dizer: não é algo que deveriamos aprovar.

Lembre-se que no link que estou passando por exemplo, que nem estou questionando a veracidade embora o poderia hipóteticamente, o comportamento é muitas vezes inadequado como das baduinas que supostamente teriam tentado até forçar a HUMANA a se envolver em uma relação orgiatica.

Na natureza também tem várias espécies como aves que formam casais heterossexuais e que ficam assim a vida inteira: então vamos imitar o "instinto"?
Pq na natureza há ESPÉCIES que mudam de sexo como rãs, e ESPÉCIES que tem os dois sexos como os anelideos, mas não são todas, e estão alterando a nossa. Há ESPÉCIES como abelhas em que uma femea tem relações com muitos machos mas a maioria das abelhas morre virgem... Nós vivemos dizendo para preservar a natureza não se importando se eles matam uns aos outros ou mesmo praticam canibalismo... Mas para preservar o dimorfismo sexual da NOSSA espécie quem se levanta?

Existem cachorras lésbicas, sim, e existem mulheres até fazendo filme de pornografia, de suas praticas com sexo com animais... Vai dizer que é natural? Mas ei... não acontece na natureza? E agora: posso ou não posso criticar orientação sexual alheia sem virar criminoso?

Coleção - Criticas e Apologética - Artigo Guia


Criticas e Apologética

Esta coleção traz uma série de artigos sobre a bíblia, Deus, etc

Minha posição pessoal sobre a bíblia:

Neste artigo, procuro mostrar minhas razões para crer que a bíblia não é infalivel, mas que mesmo assim creio inclusive nela, só não confiando como infalivel, crendo no Deus que ela defende. Justiça seja feita: analise.

Contradições na palavra de Deus
Deus não é tão exato quanto gostariamos que fosse. Veja algumas coisas que Ele já mudou.

Independentemente da infabilidade bíblica, o pensamento de que apenas ela é fonte de conhecimento é um erro grave. Analise lendo o artigo.

- -
Criticas e perguntas - Geral


Criticas ao Deus bíblico
O mal, e especialmente o mal da parte do divino como o inferno, são forte fonte de duvidas e criticas. Espero ajudar pessoas a entender, com respostas a algumas perguntas, do quão viavel é que Deus exista, mesmo diante desta desagradavel doutrina.

Neste caso é relativamente comum, pela sede de um tipo de justiça, ignorar a existência de outra, a da reciprocidade. Mais uma pergunta causada em grande parte pela dificuldade das pessoas em aceitar o Deus bíblico como um ser capaz de fazer o mal.

- -
Perguntas filosóficas sobre Deus:



Há muitas razões razoaveis para não se crer em Deus. Pretendo ajudar a tratar de várias delas. Não digo que tenho perfeito remédio, mas estamos trabalhando nos diversos pontos.

- -

Série - Deus se arrepende?

Deus não muda de idéia... Mas você viu o contexto?
Deus se arrepende... Como? É por ignorancia?

Coleção Política - Artigo Guia


Sobre Politica
A inviabilidade de certas idéias num país onde religião só não afeta (tanto) a politica porque está proibida mesmo.

Baseado na figura bíblica do povo ou nação de Deus como sua esposa, fiz um texto sobre como vejo esta nação e suas incoerências, a pondo, no estado de laica, como uma mulher amedrontada com o fracasso das tentativas de casamento da europa, e que desistiu da idéia, e agora jurou nunca casar-se, e acha justo ter relação com todo e qualquer idolo ao invés disso.

Muitos desses projetos hoje dificilmente seriam aprovados, mas imagine um mundo onde se vivesse debaixo dessas leis?

Piadas a parte
Ironizando um pouco sobre o fato de que religiosos são cidadãos de secunda categoria nesse estado.

Coleção - Teologia da Prosperidade - Artigo Guia

Nesta coleção, falarei sobre dinheiro, capitalismo, a teologia da prosperidade, criticas a mesma, o que a bíblia diz sobre, etc.

Prosperidade, Miséria, Robalheira e Mesquinharia


Da teologia da prosperidade você talvez já tenha ouvido falar, e desta? Encaremos a dura realidade da nossa situação atual: presos a um sistema.


O dinheiro que não vai para os pobres
Sobre o dinheiro que é dado na igreja e faz diferentes funções, e não vai todo para ajudar aos pobres e muitas vezes vem destes. Vamos falar um pouco sobre isso.

É para glorificar de pé ou duvidar?
Neste artigo respondo a uma ofensiva pergunta critica: "fui numa igreja e não tive que dar dinheiro. É pra glorificar de pé?".


segunda-feira, 1 de abril de 2013

É pra glorificar de pé! ...Ou pra duvidar!


tem ateu falando demais de igreja, como a pessoa infeliz que fez essa pergunta:

PERGUNTA DE CRITICO:
Eu fui em uma igreja evangélica e não tive que dar dinheiro. É PRA GLORIFICAR DE PÉ!!!!?



RESPOSTA MINHA: sim, vc ir numa igreja é para glorificar de pé mesmo, pq se vc nunca viu que não TEM que dar dinheiro na igreja evangélica vc não deve ter ido muito. Então estamos diante de um verdadeiro milagre! 

Pensando bem eu tentei glorificar a Deus aqui e então pensei: essa pessoa nem deve ter ido a igreja... Tenho de parar de acreditar em gente que não merece crédito, e parar de acreditar em todo milagre que ouço, certo?

Bom, mas quem sabe né... Acho que vale a pena tentar dar um voto de confiança... Um pouquinho de crédito para você... Mas que parece milagre do jeito que você fala, parece

PS: sou evangélico criado em lar evangélico e vou na igreja 4 vezes por semana as vezes mais, e nunca fui OBRIGADO a dar dinheiro

E te desafio a ir em uma escola que não seja financiada pelo governo que ensine de ética ou da história de Israel que você consiga assistir aula sem pagar. A igreja é a unica que pede ao invés de exigir diretamente para acessar o serviço, e por consequencia é a unica que vocês falam mal. Volta lá pro bar e vê se ele te dá a bebida e depois recolhe oferta. Volta lá no lugar de strip e vê se só vão dizer que você precisa dar o dizimo e a oferta, mas deixam você assistir tudo a vontade. Volta de onde você veio e pague tudo o que você precisa pagar lá e ache alguém que faça tanto serviço gratuito quanto a igreja, antes de vir me falar coisa. Eu trabalho na igreja e dou aula de teologia de graça, dou aula na escola dominical de graça e até prego de graça, e não to afim de levar desaforo. Meu ultimo pastor largou o cargo por não dar conta de cuidar da igreja enquanto trabalhava em outra cidade!