sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Midias em destaque - Why so serious? ADIVINHA!

Não é de hoje que alguns chamados fanáticos falam contra práticas bem aceitas na sociedade.
Volta e meia alguém diz "esses programas fazem mal", enquanto outros dizem "é só selecionar" enquanto na prática as vezes parecem não selecionar, e sim assistir tudo.

Dificil desafio há na parte do entretenimento e mídia em geral, envolvendo jogos, livros, filmes, séries, e até mesmo desenhos mesmo infantis, na parte de separar o bom do ruim.

Isso porque o principal tema de muitos filmes e séries é a batalha do bem contra o mal.
Ora, se há batalha do bem contra o mal, como não haveria mal?
Se precisamos de vilões, como evitar que a maldade apareça na tela?

Somos um tanto "viciados" (não sei se o termo é totalmente justo, porém) nesse mecanismo e em diversos generos de filme como ação (que poderia ser rebatizada de violência e riscos de violência), suspense (que é basicamente risco de morte, e investigação de mortes), terror (que é, como o próprio nome já diz, uma criação pensando nas piores coisas possiveis, para entreter enquanto assusta até quem sabe que é só brincadeira), dentre outros que contém a maldade como elemento praticamente essencial.

Tirar o mal das opções cinematograficas parece as vezes impossivel. Ainda mais quando vamos ao cinema, assistir um filme pela primeira vez. O que podemos fazer? Não sabemos o que vai passar, se bom ou mau.

Tive um verdadeiro trauma de infancia ao assistir um filme quando criança chamado "fim dos dias". Sai no meio do filme, e confesso que até hoje não assisti o resto do filme, de tão horrivel que é a visão de entretenimento com uma história de anti-cristo.

Só o "anti-cristo" e demônios, e o apocalipse como fontes de entretenimento já mereceria um artigo a parte. Há tantos filmes que usam das crenças cristãs para assustar as pessoas e horrifica-las, que literalmente, o que mais se vê de cultura cristã nos filmes parece ser o mal, e ainda exagerado.

Para mim que busco a salvação dos anjos caídos é duplamente ofensivo.

Penso que o entretenimento envolvendo o mal é algo extremamente perigoso. Dificil de fazer sem ele, mesmo assim, horrivel com ele. Dificilmente veremos na nossa vida uma morte tão horrivel no mundo real quanto em um filme. É algo para se pensar, as mortes mais realistas e assustadoras estão em filmes como "Premonição" e outros filmes de terror. Talvez até policiais ficassem horrizados com aqueles filmes, e prefeririam voltar ao trabalho.

Há uma diferença do nosso sangrento jornal para um filme, jogo ou série. Jogos, como já mencionei, usam frequentemente o mal como tema. Não atoa. O objetivo é vencer o mal. Um vicio constante, uma batalha constante, algo nunca realizado, porque CRIAMOS O MAL para começar.

Não mais tão recentemente aconteceu um desatre. Um homem matou pessoas assistindo o terceiro filme de Batman. O filme anterior, do coringa me deixou chocado. De fato tem uma batalha do bem contra o mal épica, mas me deixou espantado e horrificado. Confesso que tive vergonha quando assisti no cinema, em desprezo a morte do ator que interpretou o personagem, e também quando voltei a assistir o filme.

O filme é fascinante, pela batalha do bem contra o mal. O vilão da vez é diferente dos outros vilões viciados em poder (principalmente) que buscam dominar mesmo sacrificando a ética. É uma espécie de psicopata, uma espécie de louco que quer mais causar o caos sem motivo aparente.

Um tipo de criminoso que tem crescido em nossa sociedade.
Em nossa sociedade, sim. Porque nos jogos é um estilo classico. Jogos que envolvem a escolha entre ser bom e mal frequentemente tem esta possibilidade. O mais famoso é GTA, onde se pode ir matando pessoas na rua, até que venham policiais, policias, talvez tanques, helicopteros... Só não vem o batman por uma questão de patente.

É basicamente isto que o personagem Coringa do segundo filme dessa linha de filmes do batman era: como um jogador de GTA, mas no mundo real. Alguém que quer mais acabar com tudo, destruir tudo, fazer o caos. Porque? Por descaso.

O descaso de um comediante ou arruaceiro cabe muito bem, de fato, com este tipo de vilania. A fala "nem ligo" em comédias também encaixa-se com cenas de mortes brutais até de inocentes.

O criminoso que matou pessoas no filme 3 do batman teria dito "eu sou o coringa". De fato, tinha o mesmo estilo. Alguém que quer somente matar, destruir, causar o caos.

Enquanto Batman estava lá mediocremente lutando contra o mal, o coringa estava lá apregoando sua doutrina. Não seria melhor parar? Não seria melhor cessar com esse combate com o mal?

Temos imaginado o mal cada vez + e + realista. Sei que há quem diga que filmes assim não causam psicopatas, somente os tornam mais criativos... Ainda que fosse verdade: já não é mal o bastante?

A evolução dos filmes e jogos é ficar + e + realista. 3D, cadeiras que se mechem, hologramas, imersão... O mundo virtual tenderá a ser mais e mais real. Não apenas o sangue parecerá mais e mais sangue, a morte mais e mais morte... As coisas vão ficar mais e mais imersivas. Enquanto o mal passa pelo desprezo por ser "virtual" ele aumenta em força (porque somos viciados em maldade, nossos vilões são como drogas fortes, e precisamos de cada vez mais fortes drogas para saciar nossa sede) e nossa evolução tecnológica o trás mais e mais próximo da realidade.

Outro tópico para um futuro artigo é o final feliz: Será que nós SUPORTARIAMOS criar um filme ou série sem maldade, sem intrigas, sem problemas, só com a felicidade? Nós acabamos com os filmes quando chega o final feliz. Temos dificuldade em não criar o mal. Eu sei porque estou tentando criar histórias cristãs e educativas. É um desafio para nós, como se fossemos dependentes intelectualmente do mal.

O personagem coringa costumava dizer, em seu filme "porque tão sério?" Diante da morte de pessoas no cinema, por causa de um homem que até referiu-se como o coringa, um vilão que passava a mensagem "vamos acabar com tudo", eu pergunto: porque vocês NÃO estão sérios?

Testifico que é dificil conciliar os interesses de ficar atualizado, entreter-se, e fazer filmes. A estrada pela pureza parece muito dificil, os filmes, histórias, entretenimento parecem que precisam ser ainda CRIADOS até mesmo. Tenho buscado ir nessa direção, embora o caminho não parece somente estreito, parece ser menos que um vão entre duas paredes. Mas é o caminho da pureza.

Sei que filmes, jogos, tem várias coisas boas no meio. Por isso os chamo de "misturados" ou "não-puros". Algumas das minhas maiores idéias e até as vezes lições éticas ou para a teologia como explicações do mecanismo de livre arbitrio no filme minority report (que é um filme impuro) estão no entretenimento misturado. Mas estejam cientes de que nesta direção teremos o bem e o mal coexistindo eternamente.

Vícios - Os pecados constantes

Gostaria de começar com uma breve narração:

Um jovem comemorava os seus 18 anos de idade. Finalmente tinha idade para ser considerado responsável. O que poderia fazer agora?
- Beber! Vou poder beber! - Comemorava

- Vou poder fumar! Viva! Poderei fumar! - Lembrava ele
- Vou poder assistir pornografia e contratar prostitutas para saciar minha sexualidade de maneira não-sustentavel, egoísta e desrepeitosa! - ...Ok, isso ele não disse com todas as palavra,s mas poderia dizer.
Agora tinha 18 anos. Poderia dirigir, sim. Não uma familia. Mas poderia dirigir-se para o abismo. Já tinha 18 anos, já tinha idade para ser responsável de crime, já tinha idade para ser preso... Mas quanto as leis de Deus ao invés das leis do pais, tinha 18 anos. Finalmente, tinha idade para ser irresponsável.

O nosso país permite coisas realmente contraditórias. Numa democracia, não vale defesa de interesses de religiosos com 90% de cristãos. Num país de cristãos leis do casamento não são leis e a aceitação da homossexualidade como algo positivo é praticamente imposta por lei.

Ironias a parte, gostaria de falar sobre pecados viciantes. Quando as pessoas dizem "estou em pecado", já assumo que deve ser um desses. Explicarei o porque:

- Bebida
- Cigarro
- Outras drogas
- Perversões sexuais

Poderiamos resumir em "drogas licitas e ilicitas e perversões sexuais". Disse e repito: se você disser perto de mim "estou em pecado", eu vou assumir, mesmo que preconceituosamente, que deve ser um desses.
Porque? Porque dentre os pecados, estes são os vicios.

Pessoas pecam ocasionalmente. Muitas pecam constantemente de alguns pecados como idolatria, incredulidade, tolices, e outras coisas semelhantes, mas não costumam admitir-se como pecadores.
Isto porque estes pecados, como muitos outros, são pecados que se a pessoa decidir não fazer mais, ela deverá conseguir. Então se ela disser "estou pecando", dificilmente não deixará o pecado.

Alguns habitos como brigas e discussões são as vezes associados a pecados, mas devido a linha tenue entre a tentativa de resolver problemas e o "mal", há menor facilidade em determinar a existência do pecado.

De forma geral, estes pecados que eu citei são os unicos pecados (ao menos dos quais estou ciente, e peço que me acrescentem a lista se souberem) que as pessoas tem, e mantém, e podem dizer "estou em pecado".

Porque estar "em pecado" implica numa certa constância de pecar.

Aonde quero chegar? Quero chegar num estudo eficiente sobre os pecados. Passamos distantes dos principais pecados, que são muitas vezes os mais escandalosos e dificeis de lidar.

Drogas as pessoas se viciam usando. Perversões sexuais porém, tudo o que se precisa é um pouco de perversão no instinto humano de desejar sexualidade para ter.

Não escondo que tive e tenho uma batalha contra as perversões sexuais. Acho que talvez esse termo (que envolve na verdade uma grande gama de pecados) é o que mais contém pecados em maior popularidade.

As razões são diversas: o instinto natural envolvido, a falta de compromisso do estado com as leis de Deus, desincentivo do estado e da sociedade não-cristã-séria a obediência dos mandamentos, o tabu do assunto e consequentemente dificuldades de pregar diretamente sobre o assunto, dentre outros.

Aparentemente este também é o pecado mais vergonhoso para os cristãos. É mais facil ouvir aparentemente de pessoas que foram usuarias de drogas ou que bebiam do que de pessoas que dizem "fui viciado em pornografia", "fui viciado em masturbação", "fui homossexual", "fiz sexo sem casamento" e coisas do tipo.
Irônico com relação a situação atual.


Falando de vicios em geral, busco hoje explicar um pouco como esses pecados funcionam.
Éticamente falando o segredo dessas coisas é que são MISTURADAS de bem com mal.

Tanto as drogas como as perversões sexuais misturam uma dose de prazer com males. Eis a receita da desgraça de muitos.

Na sexualidade, despreza-se as leis do casamento, romance, familia, ordens de Deus, respeito a Deus, higiene, ordem, boa fama, pureza... e então o que parece? Parece que a perversão sexual é algo maravilhoso.

No caso das drogas licitas despreza-se a saúde, tanto própria quanto alheia, do mal testemunho, e males psicológicos envolvidos como no alcool, a propaganda vergonhosa da bebida, dentre outros e o que sobra?
Sobra um punhado de prazer gratuito.

No caso das drogas ilicitas o quadro piora um pouco, desprezando a questão da legalidade dos que traficam, criminalidade envolvida, dentre outros riscos.

O DESPREZO a essas coisas causa com que esses males, cuja receita basica é: COISA BOA + COISA MÁ MISTURADA se tornem aparentes prazeres gratuitos.

O prazer é o sensor de sucesso no ser humano. Que grave engano é esse sensor quando lhe dá prazer com uma prostituta que logo terá de pagar, ou com masturbação ou sexo com alguém do mesmo sexo,sem nem usar orgãos sexuais verdadeiros em sexualidade incompleta, ou com drogas que parecem prazerosas mas que poderão trazer sofrimentos muito piores posterioremente.

São como comida envenenada. Não se pode evitar que a comida pareça boa, se pode ter aversão a armadilha. Para isso, atentem as coisas desprezadas na soma. Sanidade, prudencia, amor próprio, construtividade, futuro, são coisas importantes.
A valorização destas coisas causa aversão aos males.

Recomendo que se busque saciar também a sede de prazer de alguma forma produtiva.
Sexo para os que precisam de sexo, comidas saúdaveis e gostosas para os que tem carência de prazeres.
Mas é necessário um coração grande, que ame várias coisas e muito, não somente os prazeres, para guiar-se para longe dessas armadilhas.

Amar várias coisas, Deus, familia, futuro, profissão, etc pode ajudar a distanciar. As nossas decisões são causadas pelos nossos desejos. É dificil fazer uma pessoa não desejar sexo ou o prazer do cigarro após ter experimentado. Até há remédios para isso, mas não posso ajudar nisso.
O que posso incentivar é isso: amem outras coisas.

Recomendo também, na luta contra os pecados, o combate do pecado quando se está são. Ou seja: se você não está no seu estado de ir atrás do pecado, então esteja lutando para que o estado de não pecar se mantenha. Delete pornografia, peça ao parceiro(a) de adultério ir embora, confesse pecados, peça ajuda, jogue as drogas fora, denuncie traficantes, pregue contra.

É um erro achar que apenas não fazer o mal é fazer o bem. Quando se está no lado do bem deve-se encher de construtitividade, manipular o ambiente e a mente para que ela pense em mil coisas, que não sejam pecar, que tenha mil coisas boas e construtivas para fazer e distrair-se. Que se tenha propósitos, outros desejos que afetarão no processo decisório.

Também digo, porque sei que o orgulho é muito importante: 1 segundo após ter pecado já é mais do que o bastante para pedir perdão e levantar-se, e voltar a justiça, orar, evangelizar, fazer o bem. Não se morre nesses vicios por cair, se morre por ficar deitado sentido pena de si mesmo.
Melhor é um pecador viciado lutando por cada SEGUNDO sem pecar do que alguém que diz "bah, já pequei mesmo, já estraguei o meu recorde de ficar tantos dias sem pecar... Que importa?"

Quem atenta demais ao próprio recorde de ter ficado dias, meses ou anos sem ter pecado mostra-se orgulhoso, e de que seu coração está no não ter pecado ao menos recentemente, e não no bem de não pecar em si, e de fazer o bem.

Aos que não tem o problema em si, deixo um alerta: vocês podem não ter, mas os vícios estão consumindo a sociedade. Você pode não ter sido infectado, mas a epidemia ainda existe. Não se faça de desinteressado, lute como um médico até o exterminio da doença. Estamos perdendo terreno em algumas areas e ganhando em outras.

As perversões sexuais tem crescido assustadoramente, especialmente com a pornografia e o orgulho gay, enquanto outros males como o cigarro estão sendo combatidos com mais e mais seriedade e interesse.

FALEM MAL dos pecados. FALEM MAL dos vicios. FALEM MAL das perversões. Lutem para que a medicina dessas coisas cresça. Teóricamente, a humanidade só precisa aprender 1 vezes de que essas porcarias são de fato más, terrivel mal, e precisam ser combatidas, para que comecem a combater e lutem até o fim com seriedade.

É pela sociedade ainda não estar muito traumatizada com as drogas, por exemplo, que quer as legalizar. É por não ligarem muito para os males da bebida, que ainda a permitem por lei. Lutem, por favor, até o extermino dessas verdadeiras DOENÇAS SOCIAIS. Lutem cientes de que quem faz o mal só para si é como quem diz "ficarei doente" sem se importar com a sociedade. É por isso que temos uma epidemia: um estimula o outro ao erro ou ao acerto. Estou hoje vos incentivando ao acerto. Aprendam sobre o pecado e sobre a justiça.

Mais sobre o tema, especialmente sobre sexualidade, ainda há de vir neste blog, creio eu. Por hora, recomendo o artigo sobre sexo oral e anal ser pecado, que começa a explicar um pouco de "caminhos de perversão" sexual, mostrando um pouco de porque as pessoas se prendem em determinadas fantasias.

domingo, 12 de agosto de 2012

Mídia em destaque: Jogo cristão no facebook

Tenho visto, jogado e apreciado um jogo cristão, baseado nos ensinos de Jesus, no facebook.

O jogo é gratuito, ainda que alguns itens seja compráveis com dinheiro, e se tenha pouca energia, necessária para fazer ações no jogo, e essas precisam de tempo para serem recarregadas ou de dinheiro.

Mesmo assim, jogando sozinho é possível ir abrindo varias fases.

É um jogo de cumprimento de tarefas, basicamente. Mas é gostoso ver as histórias de Jesus contadas de forma diferente.

Recomendo:

A jornada de Jesus
http://apps.facebook.com/journeyofjesus/?fb_source=bookmark_apps&ref=bookmarks&count=0&fb_bmpos=3_0

Sonho em trabalhar nesta area. Ainda estou buscando condições para investir na programação, e na criação de programas como estes. Se alguém gosta da idéia e queira investir (tanto finanças ou tempo, tanto para programar, quanto para criar a arte, seja visual ou sonora), eu agradeço. Meu sonho é que tenhamos abundancia de mídia cristã.